Fugindo do frio
O autêntico kitesafari, organizado pela maior operadora de turismo de kitesurf do Brasil. Evolução garantida: 9 dias de imersão total no Kitesurf, viajando por locais inesquecíveis, downwinds, ondas e flats, na companhia de quem entende do assunto e faz a atividade acontecer. Fuja do frio e do crowd e venha curtir essa aventura!

Para você ter uma noção do que já rolou nos kites safaris da Mangaviento, reunimos alguns números: Vamos para o Ceará desde 2001 e operamos comercialmente o fugindo do frio há 5 temporadas. São mais de 400 fugitivos de vários estados brasileiros e nacionalidades diferentes, 3 instrutores, duas Land Rovers Defenders 110, mais de 60.000 km rodados na região, 100% dos dias com vento, mais de 100.000 fotos, mais de dez locais de atividade e milhões de risadas e manobras realizadas.

Esses números só comprovam que a equipe do Fugindo do Frio está empenhada em tornar seu período no kitesafari o mais proveitoso possível, com o máximo de velejos, amizades, cordialidade, aventura e adrenalina, tentando assim, trazer à tona os sentimentos mais puros de irmandade e alegria, vividos em lugares especiais, escolhidos para tornar essa experiência inesquecível.

Além disso, oferecemos um programa de evolução técnica no kitesurf, disponibilizamos instrutores full time para que os fugitivos possam ter o melhor proveito dos ventos do Ceará ao Piauí.

FUJA DO CROWD E VENHA CURTIR ESSA AVENTURA!

A AUTÊNTICA KITETRIP!

 

COMO FOI A EDIÇÃO 2012

Aprox. 18.000 km em 70 dias de atividades.

Durante 9 semanas, 107 Fugitivos em atividades de imersão total de kitesurf, se deslocando de 4x4 por trilhas, piçarras e praias, experimentando diversos spots de velejo, desde lisos braços de mar, lagoas e foz de rios; à bons e tranqüilos picos de kitewave, em intermináveis downwinds, numa região onde o vento nunca para. Velejando e conhecendo um pedaço tão diferente do nosso país, do dialeto à culinária, das cores, relevo e paisagens, de uma beleza e tranqüilidade sem igual. Foi assim que nós passamos o inverno em 2012, em mais uma edição do Fugindo do Frio, no extremo nordeste brasileiro.
Foi muito intenso! Setenta dias com muito velejo, lugares magníficos, muita alegria, companheirismo, diversão e evolução, essa foi a essência das 9 turmas, que utilizando duas Land Rovers Defender 110 e uma Toyota HiLux, no vai e vem diário entre a Costa dos Ventos até um pedacinho da Rota das Emoções, desfrutaram e aproveitaram todo o oeste cearense, com ventos próximos dos 30 nós quase que diariamente. A Taíba novamente foi o local da base das operações e para aclimatação de dois a três dias. A Villa Marola, hotel voltado ao público kitesurfista, muito bem localizado à beira mar, foi nossa base de operações. Além de ótima infra-estrutura, esta em frente do pico das ondas e próximo à uma lagoa rasa e flat, sem crownd, tudo para proporcionar a aclimatação dos branquinhos estressados (pessoal que chegava na trip), onde eram realizados atividades desde o Cauípe, palco do kitesurf mundial, ao Paracuru, que conta com boa infra-estrutura no quebramar, local de boas ondas e vários flats de maré média e baixa. Também nesta região são feitos os primeiros downwinds e clínicas de kitewave.
Depois de entrarem no ritmo e no clima cearense, era hora de por o pé na estrada rumo à linha do equador. Dependendo do nível dos participantes e das marés, a primeira parada podia ser a Lagoinha, uma das mais belas praias nordestinas, com um downwind fácil, que passa pela lagoa do Jegue e o Rio Trairi ou; escala direta em Patos, na grande e deserta lagoa situada no meio das dunas, onde temos culinária regional de excelente qualidade: peixe, búzio, arraia, ostras, entre outras especialidades servidas pelo Seu João e pela Dona Neuza.
No segundo dia de viagem, é tempo para atividades mais locais, com pouco deslocamento. A Ilha do Guajiru é o local ideal, pois além de um braço de mar em frente à pousada Pura vida club, base 2 do Fugindo do Frio, temos também dois possíveis downwinds de águas super flats: De Almofala à Mulher de Areia, que é a preferida dos freestylers: Um velejo de aproximadamente 1 km por um mar baixinho, organizado com pequenas e boas direitas. Depois uma caminhadinha de no máximo 50 metros, até o início do primeiro mangue. Daí em diante são 3 kms por um braço que varia entre 50 à 120 m de largura, tendo de um lado o banco de areia que divide o mar e o mangue e do outro lado, a vegetação caracteristica do mangue. A água quente e totalmente flat, como um piso alisado. No final deste primeiro trecho, o re-encontro com o mar novamente, passando por duas saidas de rio e novamente caminhada de 30 m, chegando num salão flat, onde inicia uma “descida” de mais 2,5 km, novamente de flat e paisagem verde. O outro downwind na Ilha do Guajiru é da Pousada Pura Vida à praia do espraiado, descendo o braço de mar da Ilha, passamos por duas grandes lagoas de mar, junto às grandes aerogeradores e próximo à fazendas de criação de camarão. Um passeio muito bonito e tranqüilo, ao alcance de praticamente qualquer nível de kitesurfista.
No terceiro de viagem voltamos para a estrada, rumo ao núcleo Parque Nacional de Jericoacoara. Neste local se veleja desde a Barrinha, praia antes do Preá, até Camocin, numa infinidade de locais de flat, pequenas ondas, lagoas, saídas de mangues e rio. Jericoacoara, local da segunda e terceira noite. E conhecida internacionalmente pela potência dos ventos, exuberantes paisagens e pela ímpar estrutura rústica que sempre agrada à todos. Também propicia o descanso na lagoa do paraíso, em suas águas azul cristalino e boa culinária, itens indispensáveis para repor as energias. Depois da sombra e da água fresca, estrada longa de volta para a base Taía, para darmos boas vindas aos novos fugitivos que chegam no oitavo dia de trip. 
O sábado, os velejados afinavam as novas manobras nos locais tranqüilos próximos à Taíba,  arrumavam as tralhas, participavam do jantar de despedida, assistiam as fotos da 
viagem. Um momento um pouco triste, porque as experiências do período são muito intensas, se cria muita afinidades com os parceiros de viagem, sentimento de liberdade, plena alegria, 
descobertas, curtição e muito velejo.
 
Quem foge sempre traz de volta a certeza de que aprimorou seu velejo, traz também dores musculares, alguns arranhões, mas a lembrança do visual, com diferentes tons de verde e azul nas águas
clara e quentes do Ceará e o Piauí.
 
O Fugindo do Frio 2013 começou a ser montado tão logo finalizou o 2012. Lugares como Camocin, Maceió de Camocin, Barra dos Remédios, Bitupipá, Rio das Almas,
Delta do Parnaíba, foram o cenário inspirador de mais um projeto de roteiros em Trilhas 4x4, muitas águas flats e Kitewave para a próxima atividade de Imersão e evolução de
kitesurf.
 
Em breve a mangaviento em parceria a Kite&Surf, estará lançando o roteiro estará novamente no extremo nordeste brasileiro, em mais uma temporada do legítima kitesafari.
Prepare sua agenda e se organize para fugir do frio em 2013.

A escola de kitesurf mangaviento, localizada em Porto Alegre, Varzinha em Viamão e, Palmital em Osório, RS, possui instrutores certificados pela IKO desde 2008, profissionais altamente qualificados para a prática do kitesurf. Possui venda de equipamentos novos e usados. O pioneirismo do kiteschool no Brasil, com 12 anos de experiência, faz da mangaviento a melhor escola de ensino do kitesurf do Rio Grande do Sul.
Todos os direitos reservados Mangaviento. All rights reserved (C) 2017 Desenvolvimento: INVENTA Brand Design Web